segunda-feira, 2 de maio de 2011

Um mero escritor de gaveta.


Se todos pudéssemos perceber que tudo na vida pode mudar em um segundo, se todos pudéssemos dizer que o dia está belo mesmo com tempestades e furacões em sua janela e se pudéssemos perceber que na vida até a morte tem solução.

Sou somente um mero escritor de gaveta tentando manter aberto os meus olhos de sonhador, olhos que almejam uma vida mais alegre e não um céu cinza repleto de tristeza. Um escrito que sabe ao menos o seu fim, mas não quero terminar em um livro ou um filme, só quero que ao chegar em minha velhice os meus olhos ainda sejam de um sonhador e que eu possa ter escrito tudo ou quase tudo que senti e sinto e não ter deixado nem ao menos uma lágrima passar. E que eu não me arrependa do que fiz e do que não fiz mesmo isso vindo à tona, porque não existe aquele que nunca se arrependeu de algo.

E no fim, como em um conto de fadas, que muitos dizem não existir um final feliz. Acredito eu que todos merecem um final feliz, mas essa felicidade só chega para aquele que nunca perdeu ou escondeu a esperança de ser feliz.

"Portanto, buscarei fazer com que tudo e todos sejam felizes, pois somente assim receberei a minha felicidade."

Um comentário:

  1. Adorei o texto. Me fez refletir bastante, principalmente a última frase.

    ResponderExcluir