domingo, 7 de março de 2010

Filho imperfeito.

Me sinto pálido, abatido, me sinto sem vida. Às vezes acho que o amor da minha mãe é diferente para mim. Tento fazer o melhor para ser um filho perfeito aos olhos dela, mas a cada passo que tento dá, acabo tropeçando. Tropeço em algo que não consigo atravessar. Não sei, mas o erro sou eu. Acho que não sou o filho que ela queria tanto. Gostaria de sentir o mesmo amor que os meus irmãos ganham. O mesmo abraço e não um olhar indiferente para mim. Sinto que estou fazendo algo de errado, mas não sei o que. Não consigo conter as lágrimas. Isso dói, machuca.

"Quero que a Senhora saiba que a amo muito."

6 comentários:

  1. Vc escreve muito bem, gosto de texto assim, bom e pequeno.

    ResponderExcluir
  2. que isso rapaz... curto, intenso e principalmente tocante! parabéns!

    ResponderExcluir
  3. haaaaaaaa, Todo mundo já passou por isso. Eu por exemplo passo agora nesteinstante. É como se fossemos uma ameba ambulante um pedaço do nada no lugar errado. Sei como é, mas acho que isso tem a ver com a nossa adolescencia [/nem sei quantos anos tens \z] que nos faz fazer as coisas sem pensar.

    Abraçoo.

    ResponderExcluir